p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 19.0px ‘.SF UI Text’; color: #454545; min-height: 22.7px} p.p2 {margin: 9.0px 0.0px 8.0px 0.0px; font: 19.0px ‘.SF UI Text’; color: #e4af0a} p.p3 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 19.0px ‘.SF UI Text’; color: #454545} li.li3 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; font: 19.0px ‘.SF UI Text’; color: #454545} span.s1 {font-family: ‘.SFUIText-Regular’; font-weight: normal; font-style: normal; font-size: 19.00pt} span.s2 {font-family: ‘.SFUIText-Regular’; font-weight: normal; font-style: normal; font-size: 19.00pt; color: #e4af0a} span.s3 {font-family: ‘.SFUIText-Regular’; font-weight: normal; font-style: normal; font-size: 19.00pt; text-decoration: underline ; color: #e4af0a} span.s4 {font-family: ‘.SFUIText-Semibold’; font-weight: bold; font-style: normal; font-size: 19.00pt; text-decoration: underline} span.s5 {font-family: ‘.SFUIText-SemiboldItalic’; font-weight: bold; font-style: italic; font-size: 19.00pt} ul.ul1 {list-style-type: disc}

Este é o último Post que finaliza a série de 3 que resolvi escrever em razão da polêmica da internet inimitada, nos outros dois tivemos: 

  • No Post inicial, fizemos analogias com outros setores (Elétrico, televisão) disponivel em http://ift.tt/1VVSGEB
  • No segundo abordamos alguns modelos de negócios que sugam a Internet (http://ift.tt/1VVSGEF);
  • Neste último, fazemos a finalização trazendo algumas abordagens para ajudar, ou complicar ainda mais, a responder  o questionamento de Que modelo seguir? 

Não existe solução mágica, dificilmente existirá uma solução que atenda a todos, as forças dos agentes que participam do contexto da internet (consumidores, provedores de acesso, de infraestrutura, de conteúdo, de serviços, governo, agência regulatória) são contraditórias, quando se fala em quem vai pagar a conta. A única convergência existente é a necessidade de um serviço com qualidade.

Existem os modelos usados em outros países e está aí a conveniência da ANATEL com a lei do menor esforço, copiar e transferir o ônus para os consumidores (veja http://ift.tt/1NYu5Xs).

Se é para mudar o modelo, que seja um que esteja preparado para o futuro, para quando IoT, Big Data, Clouds conectadas estarão no cotidiano, quando a rede será uma malha de dispositivos conectados e o consumidor serão a menor fatia.

QUAL O MODELO?

Como dito no Post inicial, o desafio é encontrar um modelo que preserve o acesso ilimitado para os consumidores e que gere receita para os investimentos continuem sendo realizados para ter um serviço com qualidade.


Não adianta continuar ajustando o modelo atual.


Que tal inverter as regras de tarifação  de tráfego para um novo modelo ?

  • Imagine um modelos que, quem  injeta o tráfego na rede, paga pelo volume de dados injetado (upload);
  • Imagine também que,  quem consome o conteúdo, paga pelo acesso à rede (velocidade), por um SLA (QoS) e pelo upload ao invés do download;
  • Imagine um modelo que, isenta de impostos os acessos residenciais; 

Neste modelo se preserva acesso Ilimitado,  para  os “pobres mortais” que só consome informação e geram negócios para os Grandes Players, ele deixam de pagar pelo volume recebido (downloads), passa paga por upload feito (custo variável) , continua pagando um custo fixo da porta de acesso e adicionalmente  por um SLA.

Já os provedores de informações e datacenters que prestam serviços e usam a rede, pagando no mesmo modelo, passam a pagar pelo volume de dados injetados na rede (acessados deles).

Como consequências, sendo cobrado o volume injetado, o provedores de informação, datacenters passarão a ser mais criteriosos e mais eficientes na geração e distribuição dos conteúdos, com técnicas que economizem bits transmitidos. Muito lixo trafega pela rede atualmente por não serem onerados por estes lixos:

  • Quantas mensagem são transmitidas que são clonadas no envio e poderiam não existir ?
  • Quantos conteúdos em mensagem existem que não servem para nada. Nos e-mail as notas de advertência é um exemplo clássico, nas páginas as imagens e informações desnecessárias…
  • Quantas páginas que trafegam sem o mínimo de compressão, nem mesmos as básicas ?

Finalizando.


A ANATEL tem que fazer o seu papel de agência reguladora que resguarde os direitos da sociedade  e não ser defensora das  empresas (essa tem ótimas bancas de advogados para cuida de seus interesses).


Que tal ANATEL fiscalizar e fazer com que as empresas garantam  a qualidade da rede e dos serviços?

A sociedade precisa ficar atenta, porque os grandes players vão continuar querendo transferir o ônus para o consumidor final e vão fazer campanhas “subliminares” atacando a qualidade da rede para fazer a cabeça dos consumidores para forçar o governo assumir o a responsabilidade de fazer investimento público em negócio meramente privado… 

Vão fazer, por exemplo, analogias como rodovias, pedágios, ou até mesmo com exemplos de outros países, para que os consumidores aceitem serem  onerados pelo aumento da tarifa para arcar com o investimento…

A certeza é que o modelo precisa mudar, mas o acesso à internet não pode ser equiparada ao setor elétrico, TV, entretenimento e tantos outros. A internet não é apenas um rede, é um agente de ruptura permanente,  capaz de transformar a sociedade com o poder de distribuição e universalização do conhecimento, e isso faz muita diferença para uma sociedade.

O modelo precisa mudar antes que IoT (internet das coisas) torne-se amplamente usada, com seus bilhões de dispositivos injetando ainda mais tráfego (veja http://ift.tt/1VVSGEH ).

Então, “nada do que foi será do mesmo jeito que já foi um dia”, nem mesmo o modelo que onera o consumidor final sobrevirá nesta nova realidade. 

Imagine um dia em que o consumidor vai ter acesso livre, sem custo e ainda sendo remunerado por acesso ou exposição aos anunciantes… Utópico mas não impossível. 

E você ? O que você acha ? 

Que modelo seguir ?

Enviado do meu iPhone

from Blogger http://ift.tt/1NYu5Xw
via IFTTT

Anúncios

Sobre avisara

Acredito que vocês gostarão de acompanhar o que divulgo no  Blog e  pagina do Facebook mantido por mim desde 2009. Nossas publicações são dos mais variados assuntos e tem como principais objetivos:     🎯 Compartilhar conhecimento como uma atividade natural e fisiológica.   🎯 Conectar quem tem conhecimento com quem necessita ter e transformar o produto desta conexão em inovação e diferencial. 🎯 Ser um agente de transformação, motivação e realização! Convido vcs a nos seguirem, vocês vão gostar! Para nos acompanhar ou ter acesso através de outros meios de acesso, basta selecionar as opções abaixo para acessa o Avis Ara  em seguida clicar seguir ou Curtir👍 👉 FB - facebook.com/BlogAvisAra/ 👉 Telegram - t.me/AvisAra 👉 Blogger - avisara.blogspot.com.br 👉 Wordpress - avisara.wordpress.com/ 👉 Pinterest - pin.it/tev5wem Divulguem junto à sua rede de relacionamento e compartilhe em suas redes sociais! Caso tenha interesse de uma degustação do conteúdo, seguem as 10 publicações mais populares em 2016.
 ✍️️ IPhone envia seu histórico de chamadas para Apple ✍️️ Ética e Segurança não são negociáveis. ✍️️ Desista do que não vale a pena. Insista no que compensa ✍️️ UBER te segue, além do seu destino. ✍️️ Usa WhatsApp, Telegram ou outros App de mensagem? Então você precisa saber disso! ✍️️ Internet via satélite - Uma necessidade real ✍️️ Sequestro de dados se espalha no Facebook Messenger ✍️️ A solução para o Brasil é a intolerância ✍️️ Guerra cibernética - Como vc pode ser usado! ✍️️ Efeito Trump - Alinhamento do Google
 Até breve! Igmar Dornelas Falcone de Melo
Link | Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s